OS BENEFÍCIOS DA PSICOTERAPIA

0
terapiaindividual
“Julgamos aquilo que não conhecemos. Temos medo do que nos é estranho. Foi pensando nisso que decidi oferecer aos leitores do blog informações para que o trabalho da psicoterapia não lhes seja mais estranho e portanto, deixe de assustar. Por favor, coloque as pedras no chão. Deus distribuiu dons aos homens, inclusive o dom de facilitar o outro a se enxergar. Eu, particularmente, sou fascinada por essa vocação! Que delícia poder entregar um pedaço de nossa vida e do nosso tempo em prol da cura do outro. Que reconfortante saber que o Pai se preocupou em vocacionar pessoas para nos ajudar a enxergar aquilo que não conseguimos enxergar sozinhos! Obrigada Senhor por esta vocação, obrigada pelo encontro com os vocacionados. Enxergo Seu infinito amor nessa profissão!” Dani Marques
“O principal objetivo da terapia psicológica, não é transportar o paciente para um impossível estado de felicidade, mas sim ajudá-lo a adquirir firmeza e paciência diante do sofrimento. A vida acontece num equilíbrio entre a alegria e a dor”. (Carl Jung)
Mas o que é psicoterapia?
A grosso modo, a psicoterapia é um processo (uma análise) no qual o cliente tem oportunidade de perceber vários aspectos de si próprio, de seus relacionamentos afetivos e profissionais que o incomodam, seus complexos, seus limites, que o desgastam emocionalmente e comprometem seus relacionamentos. Com o tempo as causas aparecem à consciência. Entretanto, o tempo é importantíssimo para a incursão da pessoa na própria psique e na cura das neuroses, porque as neuroses são produtos de uma evolução defeituosa que na maioria das vezes levou muito tempo para se formar.“O terapeuta, é um sistema psíquico que, atuando sobre outra pessoa, entra em interação com outro sistema psíquico.” (Carl Gustav Jung). O terapeuta irá interpretar os dados de uma experiência de diferentes maneiras. Diferenciará o indivíduo como uma personalidade ímpar, mas que só se pode afirmar sobre o que se reconhece em si.Com a psicoterapia é possível distinguir-se as inseguranças e carências advindas da própria história de vida (infância, adolescência) para assim poder confrontá-las com lucidez e se desvencilhar dos vários complexos que desgastam uma pessoa (desequilíbrios emocionais, depressões, ansiedades e etc.) propondo assim escolhas e caminhos práticos no dia-a-dia que levam a um maior equilíbrio e a uma melhor qualidade de vida.
É necessário salientar que o psicoterapeuta não é um juiz, nem um crítico, mas um profissional que com seu conhecimento técnico auxiliará a pessoa a identificar comportamentos e atitudes negativas que interferem em sua vida (pessoal, familiar e profissional) e muitas vezes, na sua saúde e bem-estar físico.
O processo psicoterápico proporciona ao indivíduo um autoconhecimento, uma compreensão e respeito dos próprios limites, como também o desperta para seus potenciais e como exercê-los. De posse do autoconhecimento, a pessoa tem uma melhor compreensão sobre as outras pessoas, promovendo menos frustrações e decepções nos relacionamentos. A vida se torna mais harmoniosa e preenchedora.

Quem procura por psicoterapia, precisa compreender que este processo funciona como um espelho ao refletir uma imagem. O psicólogo irá refleti-la, melhor dizendo, irá lhe ouvir e lhe devolver o problema, ajudando você a pensar em uma solução e em como realizá-la. No entanto, a decisão de seguir com ela ou não, será sempre sua.

O psicoterapeuta, ouvindo e interpretando o relato de seu psicoterapeutizado, se serve da empatia para a vivência de uma vida que não é a sua. Algumas vezes, alguns psicoterapeutas precisam re-vivenciar episódios, fatos, momentos da vida de seu paciente, para poder mostrar ele próprio no “espelho”.

São caminhos de um mapa acidentado, na ideia inicial, na inspiração. No final, mesmo sem nada rimar, mesmo sem ponto em comum com o pretendido, tudo vai se encaixando como em um quebra-cabeças, onde o desconstruído foi reconstruído e integralizado todos os pedaços soltos do paciente. LOUCURA? Não, processo de individuação, de reinteração.

Por Paula Veloso (psicanalista, psicoterapeuta e advogada)

Share.

Leave A Reply